7 Anos de Casados
Rojo Tango
Alongamento de Cílios
Água Saborizada


Você sabia que hoje é o dia internacional da felicidade?!Depois que você leu o título do post deu para ter uma ideia né?

A real é que a felicidade anda bem superestimada. Vivemos num tempo onde somos praticamente obrigados a ser feliz o tempo todo e de qualquer forma. Nada que é feito por obrigação é legal né?! Isso se aplica até a felicidade.
Muito além de ‘ser feliz‘ devemos levar a vida com mais leveza.

Sim, você pode ficar triste, irritada, puta, chateada e descontente. Você tem esse direito. Use e abuse dele, ninguém tem a vida perfeita que pinta nas redes sociais. Todo mundo tem alguma coisa que gostaria de mudar no corpo, todo casamento tem seus dias de fúria, toda maternidade tem fases complicadas, todo trabalho dá dor de cabeça em algum momento…

Então ao em vez de se obrigar a sentir felicidade nos momentos de arrancar os cabelos e correr o risco de se estressar ainda mais por não se encaixar nesses padrões (?) deixe fluir, sinta o que tiver que sentir e depois que passar, passou! Simples assim. Leve assim. No final do dia o sentimento de felicidade vai ser muito mais presente do que o da frustração.

Demorei um pouco para entender isso, fui dormir várias noites me sentindo uma fracassada (no alto dos meus 25 anos) e sentindo uma frustração nível fase terminal. Beirando uma depressão tive que parar e rever o que estava acontecendo comigo. O motivo para que mesmo eu tendo tudo que qualquer pessoa possa querer  e ainda assim me sentir tão frustrada.

Para mim a expressão ‘ser feliz’ não traduz como deveria… Felicidade é um sentimento, devemos sentir e não ser.

No lugar mais feliz do mundo <3



Descobri algumas coisas que me deixam de coração quentinho, sorriso bobo no rosto e felicidade transbordando a alma:

– Momentos em família.

Meus pais e avós são pessoas super divertidas. Adoro passar tempo com eles… Meu marido é mais que meu parceiro, amante e amigo. Ele é meu cúmplice. Mesmo. Do tipo que eu não escondo nada dele e tenho a certeza que se eu precisar sumir com um corpo, de um álibi ou qualquer outra coisa, posso contar com ele de olhos fechados. Quando a gente briga (e olha que fazemos isso bastante) gosto de me lembrar desse detalhe. Ajuda na parte de levar a vida mais leve.

-Cozinhar.
Amo cozinhar. Ver as pessoas comendo o que preparei com tanto carinho é uma das coisas mais gostosas para mim. Sinto uma enorme felicidade quando invento uma receita, ela dá certo e o povo quando come me enche de elogios. Fico toda boba mesmo.

-Minha casa arrumada.
Minhas famílias materna e paterna são completamente neuróticas com arrumação e limpeza. Então das duas uma: ou eu desenvolveria aversão a essas coisas ou seria igual. Acabei sendo bem parecida com eles. Gosto de tudo arrumadinho e limpo. No dia-a-dia, quando estou sozinha em casa trabalhando e vejo, por exemplo, a mesa de jantar toda bonita, brilhando, sem bagunça por perto, paro por um momento e admiro a tranquilidade e beleza do meu lar. Que pode não ser extremamente luxuoso mas que é cheio de amor.

-Dormir.

Sim, amo dormir. Durmo muito e gosto. Sou muito julgada por isso. Mas nem ligo. Melhor sensação: sentir sono, deitar e dormir. Simples assim.

-Amigos.

Fiz tantos amigos sinceros ao longo da vida. Alguns o tempo afastou, mas nenhum foi apagado. Todos moram no meu coração e as lembranças me fazem muito bem. Mas o bacana mesmo é estar sempre em contato com eles, reunir todo mundo numa social em casa, tomar uma cerveja gelada no bar beira praia e hoje em dia até mesmo ir nas festas dos filhos deles, dividir a felicidade no dia do casamento…

Ainda bem que existem muito mais razões para sentirmos felicidade do que para não sentir. Mas quando quiser sentir qualquer outra coisa, sinta. Respeite seu tempo e quando tiver certa que já sentiu o que devia, volte para a felicidade.

Compartilha comigo o que te faz sentir feliz, vai…


Beijos felizes e saltitantes!!!!
Loading Facebook Comments ...
Loading Disqus Comments ...