7 Anos de Casados
Rojo Tango
Alongamento de Cílios
Água Saborizada
Durante minha adolescência fui super rebelde, não obedecia ninguém (acho que ainda tenho sérios problemas em seguir ordens), fazia o que achava certo e não ligava para o que ninguém dizia. Por um lado, foi bom porque me blindei de ouvir muitas besteiras de alguns familiares sem noção que sempre tentaram me convencer que era errado ser como eu (gorda, ruiva, com piercing na língua e desbocada), por outro lado foi ruim pois também não ouvia conselhos sábios de pessoas que realmente se preocupavam comigo. Quando a vida adulta foi chegando fiquei bem perdida em vários aspectos. Mas principalmente com o que eu esperava de mim mesma. Porque nunca me cobrei nada na vida até então.

Quando parei e pensei: que tipo de mulher eu quero ser?

Não tinha resposta para essa pergunta e só conseguia pensar que queria ser eu mesma e que ninguém ia me dizer como ser ou como agir, nunca. E foi quando me dei conta que isso já dizia que tipo de mulher eu queria ser: queria ser independente.

Essa é a minha definição de felicidade. Eu mando no meu cabelo, no meu corpo, nas minhas ações, no tom da minha voz (sempre odieeeei quem falava “fala mais baixo, vive gritando’- vou gritar sim e  se reclamar vou berrar dentro do seu ouvido) e aonde vou. As vezes as pressões estéticas da sociedade me deixavam para baixo, não era fácil pesar 150 quilos e viver em um país onde a gordofobia e a imbecilidade imperam.
Perder peso foi uma atitude desesperada para recuperar a minha saúde, mas confesso que a vida social também ficou mais tranquila.

Tenho um baita orgulho de mim e de todas as histórias que conquistei ao longo da minha vida, as besteiras que fiz, os erros que cometi, os tropeços e os fundos de poço. Essas coisas fizeram de mim quem sou hoje. E foi quando eu entendi isso e aceitei ser a minha melhor versão todos os dias que conheci meu marido. Eu não precisava dele para me completar, eu já era completa e plena. Ele não veio somar nada. Ele veio dividir e transbordar.
Não dá para querer se moldar para alguém, mudar, revolucionar… Só quem vale esse esforço é você mesma. Faça o que você quiser, seja você na melhor essência. Não paute a sua vida na busca do par ideal. Você já é tudo que você precisa, o que vier além disso vai ser diversão e não obrigação.

Faça as coisas que você gosta sem esquentar com o julgamento alheio, vai por mim. Tudo flui melhor quando você encontra seu amor próprio e o abraça como se não houvesse amanhã.
Loading Facebook Comments ...
Loading Disqus Comments ...