7 Anos de Casados
Rojo Tango
Alongamento de Cílios
Água Saborizada
Sempre adorei esmalterias. Acho o ambiente muito mais agradável do que salão de beleza, com cheiro de tinta para cabelo, vapor do secador e  afins. Acho o máximo aquela variedade enorme de esmaltes, nail bar com drinks bem menininha e profissionais diferenciados.

 

Ou pelo menos deveriam ser assim…
No início de abril estava no Rio de Janeiro e resolvi ir conhecer a Esmalteria Nacional da Freguesia (Jacarepaguá). Nunca tinha ido nessa franquia antes. Marquei hora pelo whatsapp e achei super prático. Estava marcada para sábado as 11h. Chegue 11:12 e mandei mensagem avisando que peguei um trânsito inesperado (Jacarepaguá é toda um trânsito inesperado,credo) e me responderam que estava tudo bem. Quando cheguei a recepcionista me informou que minha manicure também estava atrasada e falou para ir escolhendo a cor do esmalte. Nem me preocupei, não estava com pressa alguma, depois dali o marido ainda ia cortar o cabelo, estávamos de bobeira passeando sem nenhum compromisso. Sentei para fazer as unhas (somente a mão) as 11:30. A profissional começou tirando meu esmalte de forma bem grosseira e deixando muito esmalte na unha ainda. Puxei a mão e disse de foma calma e delicada: “ainda tem esmalte aqui e por favor tome cuidado com minhas cutículas, são muito finas e por causa disso eu só tiro uma vez ao mês.”

Foi a mesma coisa de não ter dito nada. Conforme ela ia metendo o alicate super forte nos meus dedos eu ia dando leves gritinhos de ‘aiii’, o sangue escorrendo pelos cantos das unhas, ela lixando cada unha de um tamanho e de uma forma bem amadora (todas as unhas ficaram com serrinha na ponta). Nisso chegou a cliente dela as 11:30. Como a recepcionista havia explicado de uma forma que não fez sentido algum para mim e para a manicure, outra profissional não poderia ir adiantando a cliente que acabara de chegar.

O diálogo foi mais ou menos assim:

– Fulana, pede para a Ciclana ir adiantando ela por favor.
– Não pode, se não sai mais caro, porque ela é pé e mão.
– Então, ela vai adiantando a mão e quando eu acabar aqui pego o pé.
– Mas mão com uma e pé com a outra sai mais caro.
-Ué, mas isso é problema nosso, resolvemos depois.
-Não pode!


E foi assim que a menina que já estava fazendo minhas unhas de forma terrível ficou ainda pior. Passou o esmalte de qualquer jeito, não limpou direito e saí de lá com sangue pingando dos dendos, literalmente.

Três dedos da mão esquerda. Ainda tinha mais QUATRO dedos feridos na mão direita.



Ah o ‘Nail Bar’ era um frigobar com aquelas tacinhas de plástico da Chandon coloridas (super brega) em cima. E ninguém me ofereceu nem um copo dágua, imagine cardápio com drinks menininha!
Paguei 28 reais (usei esmaltes importados) por essas carnificina em meus dedos.

 

NÃO RECOMENDO!



Uma estrelinha porque a decoração do lugar era bem fofa. E só…
Nem a variedade de esmaltes era boa. Os importados eram pouquíssimos e estavam velhos e grossos.

Achei uma pena pois a franquia tem uma boa fama.
Passem longe desse lugar com os dedos de vocês. No bairro tem vários salões legais com profissionais competentes que não vão arrancar pedaços dos seus queridos dedos.

Vocês indicam alguma esmalteria BOA para mim?? =)

 

Beijooooos
Loading Facebook Comments ...
Loading Disqus Comments ...