Mastopexia- Terceira Parte

Voltando a saga da minha recuperação pós mastopexia…

2012 (sem sutiã) // 2015 (com DOIS sutiãs) // 2016 (com sutiã cirúrgico)

Depois que passa a fase de ir toda semana no consultório, retirada de pontos, suspensão total dos remédios e praticamente todos os cuidados com o pós-operatório, sua vida recomeça de verdade. Fui liberada com 3 meses para voltar a malhar (com pequenas restrições de movimentos) e com quase 5 para todos os movimentos pois tive uma inflamação no seio esquerdo que deixou minha recuperação um pouco mais lenta. Por mais improvável que possa parecer o lado que inflamou doeu muito menos do que o lado que cicatrizou lindamente. Vai entender ne?!
Com todos meus professores da academia cientes das minhas limitações, fui voltando a praticar os exercícios que gosto e de quebra ir perdendo mais uns quilos.

Usei o sutiã cirúrgico por 10 semanas e depois disso comprei vários novos. Meu médico não me restringiu quanto a arame ou bojo. Mas por escolha própria, sempre dei preferência aos sem nenhum dos dois. Tenho apenas um com arame e um com bojo que uso muito mais por serem lindos do que por precisar. Na real, depois da cirurgia eu não preciso mais usar sutiã, pois eles flutuam lindamente. Foram mais de 15 anos usando o sutiã que servisse, sem pensar se era bonito ou sexy, ou até mesmo confortável, então mesmo sem precisar eu fiz questão de ir em todas as lojas de lingerie que sempre babei nas vitrines e fiz a farra. Comecei a comprar ainda com 2 meses de operada, e foi uma burrada porque ainda estava inchada e os modelos ficaram larguinhos depois de algum tempo.
Os modelos de renda triangulo são meus favoritos pois não apertam a linha da cicatriz e nem marcam nas costas.
Também comprei esses adesivos “tapa mamilo” e tenho usado bastante com regatinhas mais fininhas ou blusas brancas. Sinceramente, no dia a dia, quase não uso mais sutiã e tenho adorado essa vida.

sem sutiã em outubro de 2016

Após o segundo mês eu já dormia de lado e acordava de bruços. Era involuntário e não dava para evitar. Como minha cicatrização estava boa, eu não sentia dores nem nada. Com o passar de algumas semanas já conseguia dormir na minha posição favorita sem problemas ou medos. Assim como o banho depois de 10 semanas também não era mais um ritual, eu dava conta sozinha, claro que não na mesma rapidez de sempre, mas com calma e respeitando meus limites.

com sutiã cirúrgico em outubro de 2016

Depois de dois meses também voltei a minha alimentação normal, dando minhas escapadas nos fins de semana e segurando a onda de segunda a sexta.
Nesse período as próteses cederam, os seios ficaram mais redondos e menos pontudos, e menores. O inchaço ia sumindo e ia aparecendo meus pequenos companheiros novos. Foi uma transformação muito bonita.
Também passei a usar a pomada para ajudar na cicatrização que me foi recomendada pelo médico e as cicatrizes foram ficando mais claras, já dava para ver que em algum tempo sumiriam mesmo.

fevereiro (de maiô) // setembro (sem sutiã)

Sentia algumas dores perto da axila dos dois lados as vezes, meu médico me examinou e disse que estava tudo bem. Era normal, apenas o corpo se adaptando e acostumando.
O resultado real começa a dar as caras, você já não se preocupa tanto com o pós-operatório e entende seu corpo novo, ou começa a querer entender. Porque mudar uma característica que foi sua por quase 20 anos é um tanto quanto desafiador e pode bater algumas neuras. Vou falar mais sobre isso no próximo post, pois com quase 4 meses de peitinhos novos eu tive uma bad daquelas…

Já sabe né? Qualquer dúvida podem mandar, se rolar vergonha manda por e-mail, caixa de contato ou pelo chat no facebook que respondo todo mundo, sem problemas.

Veja também: Parte 1 e Parte 2

Loading Facebook Comments ...
Loading Disqus Comments ...