Imigração, Pets, Frio, Canadá e as Perguntas

Continuando com os posts sobre minha mudança para Toronto, hoje vou responder as perguntas mais frequentes que me fizeram no Instagram e algumas que chegaram por e-mail.

Entendo que muitas pessoas tenham vontade fazer algo parecido com o que fiz e que isso gera muitas d’dúvidas. Eu mesma quando comecei esse processo era uma grande interrogação ambulante. E tem também quem só está curioso mesmo com algumas questões.

– Por que decidi largar tudo no Brasil e recomeçar em outro país:
Comentei no post anterior que a vida no Rio de Janeiro estava bem complicada para mim. Vivia com medo de sair de casa, tendo crises de pânico e isso afetava minha vida pessoal e profissional. Sempre quis morar fora, desde pequena fui apaixonada pelos enlatados americanos e achava a cultura deles muito atrativa. Eu tinha uma vida muito confortável no Brasil, mas o desejo de viver algo novo, com o qual sempre sonhei falou mais alto. E ter me casado com alguém que tinha esse mesmo sonho me possibilitou um bom planejamento e concretização desse sonho para nós dois.

– Você fala inglês ou vai aprender na marra?
Eu e meu marido já falávamos inglês no Brasil, ambos fizemos cursinho a vida toda e já tínhamos viajado para fora. Obviamente nosso inglês não era perfeito. Para vir morar aqui meu marido fez um teste de proficiência chamado IELTS e foi muito bem nele. Com esse resultado ele pode comprovar para o governo ou instituições de ensino/trabalho que ele pode se comunicar satisfatoriamente em inglês. Eu não fiz nenhum teste e sempre achei meu inglês bem fraco. Optei por fazer dois meses de curso profissionalizante de Business English aqui mesmo em Toronto. Para a minha surpresa, sou muito melhor do que pensava.
E claro que na nossa rotina diária a gente vai aprendendo mesmo, na fila do mercado, no metrô, no restaurante, com os vizinhos…

– Vocês vão morar aí para sempre ou pretendem voltar?
Sempre falo que `para sempre` é muito tempo. Não sabemos como será nossas vidas, estamos conhecendo um país novo, uma cidade nova, pessoas novas. Tudo pode acontecer. Propostas de emprego, nova mudança, voltar para o Brasil nunca está descartado afinal família e amigos ficaram lá.

– Vocês estão com visto de turistas?
Não. Viemos com visto de trabalho e estudo valido por 2 anos, podendo ser renovado. Nos temos um plano traçado baseado nas leis imigratórias da província de Ontario. Isso é um processo muito delicado e deve ser feito com muita atenção. Não ficaremos ilegais de forma alguma em nenhum lugar do mundo. Então prezamos por fazer tudo da forma mais correta possível. O Canadá possui inúmeros planos de imigração. Vale a pena você ler sobre eles e decidir qual o mais viável.

– Como é a alimentação ae?
O Canadá não tem uma comida típica ou regional. A única coisa que eles dizem ser sua marca gastronômica registrada é o Poutine. Uma batata frita com queijo coalho e molho gravy, as vezes vem com carne, bacon ou frango. Eu sinceramente achei muito gorduroso e pesado. Já o marido adorou. De resto a culinária aqui é super misturada (assim como a população) e tem de tudo. De comidas orientais a mediterrâneas. Tudo sempre muito temperado e bem apimentado. Consigo encontrar praticamente tudo que comia no Brasil aqui para vender ou em restaurantes. A única coisa que tem me deixado na vontade é o queijo. Aqui as taxas em cima de produtos lácteos são altas e os queijos são caros. Ah e não existe requeijão.

– Como foi para levar os cachorros com vocês?
Esse assunto é muito longo e vou fazer um post só com essa explicação.

 

Essas perguntas eu recebi mais de 4x cada uma. Mas também tiveram algumas interessantes que foram singulares, mas merecem resposta.

– Você saiu do Brasil com emprego garantido em Toronto ou foi na cara e na coragem?
Viemos na cara e na coragem. Nunca tínhamos vindo ao Canadá, não conhecíamos nada nem ninguém por aqui e nem tínhamos nenhum emprego certo. Estudamos muito o país e sua cultura pela internet. Lemos muito sobre imigração, custo de vida, emprego e sistema de saúde canadenses. Elaboramos um plano financeiro e viemos. Estamos aqui a quase 2 meses e agora estamos atrás de emprego. Quem me segue lá no Instagram sabe que estou participando de alguns processos seletivos e, com a graça de Deus, em breve estarei empregada.

– Mas e o frio?
Aqui só sente frio quem quer. Existe os casacos e mantas térmicas, segunda-pele com retenção de calor, botas para neve e muitas outras coisas que você pode vestir para não sentir frio. E também toda a cidade foi projetada para funcionar em temperaturas negativas. O transporte público é aquecido, existe o PATH (caminhos subterrâneos, com diversas lojas e restaurantes- uma verdadeira cidade no subterrâneo da cidade) onde você pode se locomover sem precisar tomar neve e vento na rua. Os pontos de ônibus, em sua maioria, possuem abrigo para vento (também já mostrei isso no Instagram). Enfim, o frio não é problema aqui. A neve e a chuva talvez atrapalhem um pouco o trânsito e o bom funcionamento do metrô já que algumas linhas são no nível do chão e não totalmente debaixo da terra.

– Você levou seus moveis e utensílios de casa?
Não. Vim apenas com minhas roupas e 3 pares de sapatos. Estou remontando minha casa aos pouquinhos mesmo. Com a ajuda de outros brasileiros morando aqui eu ganhei 2 sofás, cortina e uma mesa de centro enorme. A comunidade brasileira tem fama de egoísta e fechada. Mas estamos lutando para mudar isso. Existem grupos que se ajudam e eu faço parte de alguns. Então pude investir meu dinheiro para montar minha cozinha de forma funcional, em uma boa cama king size para eu, marido e dogs descansarmos bem e eletrônicos que facilitem nossa vida acadêmica e profissional.

– Toronto é pet friendly?
Em 2 meses morando aqui posso dizer que é muito mais do que imaginei. Não tive problemas em achar um prédio que aceitasse pets. Existe uma lei que diz que nenhum lugar residencial pode proibir pets, mas a realidade não é bem essa e tem muito prédio `no pet`. Mas também existe muitos outros que aceitam de boa. Em todos os shoppings são aceitos de coleira. Muitos restaurantes e cafés possuem área externa onde você pode ficar com seu doguinho na paz. Além dos inúmeros parques com `free leash areas`. Inclusive fomos no High Park e os cachorros ficaram loucos, correram o dia todo, livre de coleiras, fizeram amigos, puderam entrar no lago e correr atrás do esquilo (o esquilo subiu na árvore e Tony ficou chorando). E a melhor parte é que eles podem andar no transporte público, assim fica fácil poder fazer vários passeios com eles de metrô, ônibus ou street car (bondinho).

Família inteira dentro do ônibus para aproveitar um dia no Pumpkin Fest

O post ficou bem grande, mas respondi tudo. Quiser mandar mais perguntar pode ficar a vontade que sempre que puder responderei vocês. Obrigada por todas as palavras de carinho que vocês me mandam, orações, good vibes e energia positiva. Tudo é muito bem vindo. Para mais curiosidades vocês podem me seguir no Instagram @coisasdecarol que eu posto todo dia. Nos stories tem um pouco da minha rotina, ainda bem louca. E vou deixando as melhores salvas no destaque “Canada”.

Loading Facebook Comments ...
Loading Disqus Comments ...